Palavra do Bispo
Dom Caetano: “O Espírito Santo nos conduz”

O padroeiro de nossa amada Diocese é o Divino Espírito Santo, celebrado liturgicamente em toda a Igreja hoje, domingo de Pentecostes. Então, nunca é demais lembrar que o lema do Jubileu de ouro de nossa Diocese (2014) que nos acompanha desde então é este: “O Espírito Santo nos conduz”. Reunimo-nos na Santa Eucaristia para suplicar: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor! Vinde nos conduzir, nos salvar, nos perdoar, nos curar, nos libertar, nos santificar. Ó hóspede da alma, doce alívio, vinde!

Como sabemos depois de transcorridos cinquenta dias da Páscoa, período em que celebramos alegremente a Ressurreição e a Ascensão do Senhor, Pentecostes encerra o ciclo pascal. O Ressuscitado, antes de voltar para o Pai, instruiu os apóstolos para esperarem em Jerusalém a vinda do Espírito, a fim de serem batizados no Espírito Santo, num batismo diferente do de João Batista que era ministrado com água. Assim se realizou essa sua promessa quando disse: “Recebereis o poder do Espírito Santo que descerá sobre vós, para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e na Samaria, e até os confins da terra” (cf. At 1, 4-8). No trecho dos Atos dos Apóstolos da Santa Missa de hoje - At 2,1-11 - ouvimos o relato do que aconteceu naquele dia de Pentecostes em que os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar quando de repente veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania. Então, o Espírito Santo desceu sobre eles em línguas como de fogo e todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas. O fenômeno foi tão extraordinário que as pessoas da cidade acorreram ao lugar onde eles se encontravam. Muitos eram peregrinos que vieram de várias regiões a Jerusalém para a festa de Pentecostes. Todos compreendiam em sua própria língua as maravilhas anunciadas pelos apóstolos. Naturalmente, ficaram cheios de espanto e admiração.

São João escreveu no seu Evangelho que Jesus, durante os quarenta dias depois de sua ressurreição, havia dito aos discípulos o seguinte: “Rogarei ao Pai e Ele vos dará outro Paráclito, o Espírito da Verdade... Portanto, Eu não vos deixarei órfãos” (cf Jo 14, 16-18). No Evangelho da Santa Missa de hoje - Jo 20, 19-23 - João conta que no anoitecer daquele primeiro dia da semana os discípulos se encontravam reunidos num lugar com as portas bem fechadas por medo dos judeus. Jesus entrou e disse-lhes: “A paz esteja convosco”. Mostrou-lhes as mãos e o lado transpassados e repetiu a saudação: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou Eu também vos envio”. Depois soprou sobre eles e lhes disse: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.

Jesus por sua Páscoa nos alcançou a graça de recebermos no Batismo a vida nova gerada pela ação do Espírito Santo. Em Pentecostes o Espírito Santo derramou os seus dons que recebemos na Crisma a fim de que essa vida nova se desenvolva e produza muitos frutos. Não basta ser cristão batizado, é necessário caminhar em direção à plenitude dessa vocação, realizando a sua missão cristã neste mundo rumo ao céu. Que o Pentecostes de hoje nos ajude a renovar o dom do Espírito recebido na nossa Crisma.

            Convido-o à oração:

  1. Espírito de Deus, enviai dos céus um raio de luz!
  2. Vinde, Pai dos pobres, dai aos corações vossos sete dons.
  3. Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vinde!
  4. No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem.
  5. Enchei, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!
  6. Sem a luz que acode, nada o homem pode, nenhum bem há nele.
  7. Ao sujo lavai, ao seco regai, curai o doente.
  8. Dobrai o que é duro, guiai no escuro, o frio aquecei.
  9. Dai à vossa Igreja, que espera e deseja, vossos sete dons.
  10. Dai em prêmio ao forte uma santa morte, alegria eterna. Amém!

 

 Dom Caetano Ferrari, OFM

Diocese de Bauru