Notícias
publicado em: 17/07/2017
Monsenhor Luiz Antônio Lopes Ricci é Ordenado Bispo em Bauru

Mais de 2000 mil fiéis lotaram o Santuário do Sagrado Coração de Jesus, em Bauru – SP, no dia 16 de julho, para celebrar, com alegria e emoção, a ordenação Episcopal de Monsenhor Luiz Antônio Ricci, lembrando esse momento especial de sua vocação e manifestando carinho e gratidão, pelo apoio fraterno que dele receberam, por onde passou, evangelizando.

A tarde de domingo foi especial para a família católica, denominações cristãs e demais autoridades religiosas, que estiveram no Santuário do Sagrado Coração de Jesus, para a Ordenação Episcopal do amigo Luiz Antônio Ricci.

A Ordenação Episcopal de Dom Luiz Antônio Ricci, Bispo auxiliar da Arquidiocese de Niterói, nomeado pelo Papa Francisco no dia 10 de maio, foi realizada na nave central do Santuário. Devido ao grande número de fiéis, foram instalados telões nas laterais e do lado de fora, para que todos acompanhassem a celebração.

A cerimônia teve como Bispo ordenante o Bispo de Bauru, Dom Frei Caetano Ferrari, OFM e como Bispos coordenantes, o Arcebispo de Niterói, Dom José Francisco Rezende Dias e o Bispo de Campo Limpo, Dom Luiz Antônio Guedes. Muitos bispos, de vários locais do país, e sacerdotes, concelebraram a missa,  além de diáconos e muitos religiosos e religiosas.

Dom Frei Caetano, ao iniciar a sua homilia, destacou a unidade de todos, agradecendo às denominações cristãs e demais autoridades religiosas.

“Foi Jesus Cristo quem estabeleceu Pedro como cabeça dos apóstolos, assentando nele o princípio e o fundamento perpétuo e visível da unidade, da Fé e da Comunhão. ‘Tu és Pedro e sobre está pedra, edificarei a minha Igreja’.”

“Foi Jesus Cristo quem determinou que a Missão divina de evangelizar e salvar a humanidade, confiada por Ele aos apóstolos, deverá durar até o fim dos Séculos, conforme se compreende do Evangelho de Mateus, que registrou o que Jesus disse: ‘Ide portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo, e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei, e eis que estou convosco todos os dias,  até a consumação dos séculos’.”

“Foi Jesus Cristo quem quis que os sucessores dos Apóstolos, os Bispos, fossem os Pastores da sua Igreja até o fim do mundo, em decorrência da ordem dada por Jesus a Pedro:  “se você me ama, Pedro, apascenta e cuida das minhas ovelhas. Pedro, com os Apóstolos, constituíram Bispos e sucessores até o presente tempo.”

“Foi a partir do mandato de Jesus que os apóstolos estabeleceram que seus sucessores, os Bispos, desempenhassem o cargo de servir à comunidade, com a ajuda de colaboradores presbíteros e diáconos, pois o ministério eclesiástico de instituição divina é exercido em ordens diversas, por aqueles que, já antigamente, eram chamados Bispos, Presbíteros e Diáconos. Estes pastores são os ministros de Cristo e os administradores dos mistérios de Deus…” 

Após a homilia, aconteceram os ritos centrais da ordenação episcopal. Assim como da diaconal e da presbiteral, ocorreu a imposição das mãos de todos os Bispos presentes, que eram os concelebrantes. Depois da imposição, e antes da oração consecratória, colocou-se sobre a cabeça de Dom Luiz Ricci o livro dos Evangelhos, aberto por dois diáconos permanentes.

Dom Frei Caetano Ferrari, OFM, ordenante principal, rezou a “Oração consecratória” e Dom José Francisco e Dom Luiz Antônio, concelebrantes, rezaram juntos a parte central, que invoca o Espírito Santo sobre o eleito. O conteúdo da oração é baseado no texto de Hipólito de Roma, é um pedido ao Pai, para que o ordenando obtenha o mesmo Espírito de governo que Jesus recebeu e transmitiu aos seus apóstolos, para a edificação da Igreja.

A celebração continuou, com a Liturgia Eucarística. Antes da bênção final, Dom José Francisco Rezende Dias usou da palavra e fez alusão ao ipê amarelo. O sacerdote lembrou que esta árvore floresce apenas 15 dias no ano, e passa o restante do tempo se preparando para isso, comparando-o à missão sacerdotal. 

Em seguida, o Padre Luiz Eduardo Monteiro Fontana, Vigário-geral da Diocese de Bauru, falou em nome do clero bauruense, e citou que a ligação de dom Luiz Ricci com a cidade e sua ida a Niterói farão com que a ponte entre as duas localidades, distantes 800 quilômetros, seja “maior que a Ponte Rio-Niterói”. 

Dom Luiz Ricci, ao final, agradeceu a todos que participaram de sua trajetória eclesiástica, desde sua entrada na Igreja Católica, ainda como leigo, na infância, passando pelo seminário e pela docência, pois lecionou por muitos anos na Faculdade João Paulo II (Fajopa), em Marília. O sacerdote lembrou ainda da mãe, Carmen Vendramini, já falecida, e da comunidade da Paróquia São Cristóvão, em Bauru, onde permaneceu durante muitos anos. 

Após a fala de Dom Ricci, foi apresentado nos telões, uma bela homenagem à mãe de Dom Ricci, Senhora Carmen Vendramini, já falecida. 

Terminando, Dom Luiz Ricci convidou todos os presentes a participarem de uma confraternização, na Universidade Sagrado Coração de Jesus.

 

Mais fotos da Ordenação poderão ser conferidas clicando aqui.