Material Formativo
Noção de Fé e Carta Encíclica Lumen Fidei - assembleia MECEs

Material apresentado pelo diácono Marcos Alberto Arantes na assembleia diocesana dos Ministros Extraordinários da Comunhã Eucarística, realizada na USC no dia 29 de setembro de 2013.

Noção de Fé: procurar conhecer melhor as verdades de sua fé

O QUE VOCÊ ENTENDE POR FÉ???

CIC:

142 - Pela sua revelação, «Deus invisível, na riqueza do seu amor, fala aos homens como amigos e convive com eles, para os convidar e admitir à comunhão com Ele» (1). A resposta adequada a este convite é a fé.

143. Pela fé, o homem submete completamente a Deus a inteligência e a vontade; com todo o seu ser, o homem dá assentimento a Deus revelador. A Sagrada Escritura chama «obediência da fé» a esta resposta do homem a Deus revelador.

A TRÍADE QUE CONSTITUI A BASE DA FÉ CATÓLICA

Sagrada Escritura, Sagrada Tradição e Sagrado Magistério

QUAL O SIGNIFICADO DESSES PILARES?

Para os católicos, a centralidade da fé está no mistério da Eucaristia, instituída pelo próprio Cristo, o que sinaliza a vontade de Deus em permanecer em união com a humanidade.

“Não somos nós que procuramos Deus, que procuramos conhecê-lo, que tentamos entrar na sua intimidade. Ao contrário: Deus é que se revela a nós. Ele é que tomou a iniciativa", Dom Murilo.

Sagradas Escrituras, Tradição e Magistério

As sagradas escrituras: reúnem os ensinamentos que Deus têm para a humanidade. Tais ensinamentos estão presentes no livro sagrado para os católicos: a Bíblia.

Nem tudo que Deus ensinou está unicamente em forma de escrita.

Os apóstolos transmitiram aquilo que receberam a partir do convívio com Jesus e exortaram os fiéis a manterem a tradição que aprenderam, seja oralmente ou por escrito.

A tradição é a fé viva daqueles que já morreram. E nós temos conhecimento desta fé.

Magistério da Igreja Católica

Magistério é aquele grupo da Igreja que recebe uma ação especial do Espírito Santo para que esta revelação de Deus não se perca e se mantenha sempre fiel.

“Tanto a Sagrada Escritura, como a Sagrada Tradição como o Magistério nos permitem conhecer Deus como Ele se revelou,

APROFUNDANDO UM POUCO MAIS

Como somos imagem e semelhança de Deus, devemos fazer de nossa vida uma virtude para Ele e ao nosso próximo...

Nascemos para cuidar bem das coisas que Ele criou para nós e também para viver bem uns com os outros

Nascemos para cultivar e praticar a virtude, que é a boa vontade de sempre fazer o bem.

Quando recebemos o sacramento do Batismo é infundida em nós a graça santificante, que nos torna capazes de nos relacionar com a Santíssima Trindade e nos orienta na maneira cristã de agir.

O Espírito Santo se torna presente em nós, fundamentando as virtudes TEOLOGAIS, que são três: FÉ, ESPERANÇA e CARIDADE.

Cultivando a fé, compreendemos que o Altíssimo é uno e trino e que tudo isso nos foi revelado nas Sagradas Escrituras. Cremos, então, que Deus é a verdade.

A vida de FÉ

Esta se exerce no claro-escuro

Mas não basta que nós cultivemos a fé. Esta, quando verdadeira, exige ação.

De que adianta a pessoa acreditar n'Ele e não fazer nada para melhorar o mundo que Ele criou com tanto amor? Madre Teresa de Calcutá dizia: "Eu sei que o meu trabalho é como uma gota no oceano, mas, sem ele, o oceano seria menor". E São Tiago, em uma carta, nos diz que "a fé sem obras é morta "(cf. Tg 2,26).

Vida de ESPERANÇA

A vida de ESPERANÇA leva-nos a aguardar com profundos anseios o retorno do Senhor, que tornará nosso corpo glorioso.

Ler: Rm 8, 18-25

A vida de CARIDADE

Apesar de tudo, já possuímos no amor aquele que nos ama.

A caridade, o amor é a virtude perfeita. Neste mundo, precisamos ter fé, esperança e amor.

DEVERES EM RELAÇÃO A FÉ

1- Deus existe ou não? Ter opinião formada com lucidez.

2- Abandonar a cultura profana e apegar aos estudos.

3- Ter atos explícitos ou implícitos de fé – A Oração é um caminho!!!

4- Transmitir as verdades da fé.

5- Confessar a fé.

6- Proteger a fé.

7- A fidelidade ao Magistério da Igreja.

OS PECADOS CONTRA A FÉ

Incredulidade: Não culpada e por negligência

Heresia e apostasia (nega as verdades de Deus e da Igreja)

Indiferença religiosa: Todas as religiões salvam???

Dúvida contra a fé: desprezo e má vontade.

 

Carta Encíclica

“Lumen Fidei” do Papa Francisco

« Eu vim ao mundo como luz, para que todo o que crê em Mim não fique nas trevas » (Jo 12, 46)

Porque o Deus que disse: “das trevas brilhe a luz”, foi quem brilhou nos nossos corações » (2 Cor 4, 6)

Capítulo I

Quando falta a luz, tudo se torna confuso: é impossível distinguir o bem do mal, diferenciar a estrada que conduz à meta daquela que nos faz girar repetidamente em círculo, sem direção.

É necessário desvendar a estrada!

A fé nasce no encontro com o Deus vivo, que nos chama e revela o seu amor: um amor que nos precede e sobre o qual podemos apoiar-nos para construir solidamente a vida.

Fé, esperança e caridade constituem, numa interligação admirável, o dinamismo da vida cristã rumo à plena comunhão com Deus.

A história de Israel mostra-nos ainda a tentação da incredulidade, em que o povo caiu várias vezes. Aparece aqui o contrário da fé: a idolatria.

Abrãao fala com Deus o povo com um bezerro de ouro

Portanto, a fé cristã é fé no Amor pleno, no seu poder eficaz, na sua capacidade de transformar o mundo e iluminar o tempo

A vida do fiel torna-se existência eclesial

Os cristãos sejam « todos um só » (cf. Gl 3, 28), sem perder a sua individualidade, e, no serviço aos outros, cada um ganha profundamente o próprio ser.

Capítulo II

“Se não acreditardes, não compreendereis” (cf. Is 7, 9)

O homem precisa de conhecimento, precisa de verdade, porque sem ela não se mantém de pé, não caminha. Sem verdade, a fé não salva, não torna seguros os nossos passos.

Conhecimento da verdade e amor

Pode ajudar-nos esta frase de Paulo: « Acredita-se com o coração » (Rm 10, 10).

Este, na Bíblia, é o centro do homem, onde se entrecruzam todas as suas dimensões:

àcorpo e o espírito,

àinterioridade da pessoa e a sua abertura ao mundo e aos outros,

àDa inteligência,

àDa vontade,

àDa afetividade

A fé transforma a pessoa inteira, precisamente na medida em que ela se abre ao amor.

É neste entrelaçamento da fé com o amor que se compreende a forma de conhecimento própria da fé, a sua força de convicção.

Capítulo III

A Igreja, mãe da nossa fé

A transmissão da fé, que brilha para as pessoas de todos os lugares, passa também através do eixo do tempo, de geração em geração

« há-de recordar-vos tudo » (Jo 14, 26).

O Amor, que é o Espírito e que habita na Igreja, mantém unidos entre si todos os tempos e faz-nos contemporâneos de Jesus, tornando-Se assim o guia do nosso caminho na fé.

Os sacramentos e a transmissão da fé

Batismo

Eucaristia: como a máxima expressão da fé

Reconciliação

Os quatro elementos que resumem o tesouro de memória que a Igreja transmite:

àa confissão de fé,

àa celebração dos sacramentos,

ào caminho do Decálogo,

àa oração.