Material Formativo
Roteiro para celebração na Semana de Oração para Unidade dos Cristãos 2015

Introdução à celebração

Este roteiro para celebração ecumênica pode ser usado para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos ou para algum outro momento apropriado, escolhido pelas comunidades locais.

Jesus deliberadamente escolheu passar pela Samaria no seu caminho para a Judéia, na Galiléia. Sua estrada passou pelo poço da mulher samaritana que lá veio para retirar água. O grupo ecumênico brasileiro que preparou a celebração nos convida a usar esses dois símbolos do caminho e da água como imagens da unidade cristã visível pela qual oramos.  O grupo local nos convida a refletir sobre estas questões iniciais que dão forma à celebração:

Qual é o caminho da unidade, a rota que devemos assumir, para que o mundo possa beber da fonte da vida, Jesus Cristo?

Qual é o caminho da unidade que mostra o devido respeito a nossa diversidade?

Nesse caminho de unidade, há um poço cheio de água: tanto a água buscada por Jesus, cansado da caminhada, como também a água dada por ele, jorrando para a vida eterna. A água retirada pela mulher samaritana em sua tarefa diária é a água que mata a sede, que faz o deserto florir. A água que Jesus oferece é a água sobre a qual paira o Espírito de Deus, a água viva em que somos batizados. A passagem relatada em João 4,1-42 está no coração desta Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Esse longo trecho do Evangelho pode ser lido por diversas vozes ou apresentado numa dramatização.

Para meditação depois do Evangelho, temos várias opções, dependendo do tamanho do grupo que celebra. Por exemplo:

O caminho e o poço

Um caminho pode ser montado com velas, flores, pedaços coloridos de pano... no chão da parte central do lugar da celebração, que leva à frente da assembléia. No centro do caminho, coloca-se uma grande bacia com jarros de água por perto. Eles podem ser diferentes, representando a diversidade da assembléia.

Os celebrantes podem entrar em procissão ao longo desse caminho. Ao passar perto do “poço”, cada representante das Igrejas participantes derramará vagarosamente a água de um dos jarros dentro da bacia. Essa água, de diferentes fontes, é um símbolo de nossa unidade, já presente, embora incompleta e não totalmente visível. Esse gesto deve ser introduzido no começo da celebração e pode ser comentado na pregação.

O caminho pode ser usado na preparação da confissão dos pecados. Pessoas virão a ele de diferentes partes da assembléia para expressar seus pedidos de perdão.

Depois da bênção, os participantes podem partilhar um sinal de paz e companheirismo, ao deixar a assembléia e se dirigir a um local de convívio para encerrar a celebração como comunidade fraterna.

Organização da celebração

Note-se: Uma particular atenção deve ser dada para incluir os que têm deficiência auditiva ou qualquer outra situação especial, para que possam participar plenamente da celebração.

A celebração tem cinco partes.

I. Prelúdio/ Preparação

II. Abertura

III. Proclamação do Evangelho

IV. Resposta na Fé e na Unidade

V. Bênção. Paz e Envio

Poslúdio (música de encerramento)

Roteiro da celebração

D: Dirigente
L
: Leitor
T
: Todos

I. Prelúdio/ Preparação

As velas serão acesas quando a celebração começar.

Acolhida e introdução ao tema da Semana de Oração

Um apresentador dá as boas vindas aos presentes, introduzindo o tema da Semana de Oração.

L: Por favor, fiquem de pé e se unam no hino de abertura enquanto o celebrante entra em procissão ao longo do caminho. Ao passar ao lado do “poço”, cada representante das Igrejas participantes derramará devagar a água de um vaso dentro da bacia. Essa água, de diferentes fontes, é um símbolo da nossa unidade, que é real, embora ainda incompleta.

Quando o grupo que celebra é pequeno, se possível, as pessoas serão convidadas a dizer seu nome e a declarar a Igreja a que pertencem.

 

I. Abertura

Convite à oração [3]

D: Poderoso Deus, sopra dentro de nós o vento da unidade que reconhece a nossa diversidade.
T: Inspira-nos a viver a tolerância que acolhe e nos faz comunidade.

D: Sopra sobre nós o fogo que une o que está separado e cura o que está doente.
T: Inspira-nos com a graça que vence o ódio e nos liberta da violência.

D: Sopra sobre nós a vida que enfrenta e derrota a morte.
T: Louvado seja o Deus de misericórdia, que é Pai, Filho e Espírito Santo e faz novas todas as coisas. Amém.

Confissão de pecados e Kyrie

D: Em humildade, como filhos de Deus e irmãs e irmãos em Cristo, recebemos a misericórdia de Deus e respondemos ao seu chamado para tornar novos todos os relacionamentos.

D: Misericordioso Deus, teu Espírito pairou sobre as águas onde a diversidade brotou e floresceu. Confessamos nossa dificuldade em viver com legítimas diferenças. Perdoa-nos essas atitudes manifestadas em pensamentos, palavras e obras que agridem a unidade na diversidade.

T: Senhor, tende piedade de nós...  (cantado)

D: Misericordioso Cristo, graça e alegria da multidão, ouvinte e mestre, tu fazes nascer novas visões de esperança e curas as feridas da mente e do corpo. Confessamos que temos falhado, deixando de ouvir vozes diferentes da nossa, deixando de dizer palavras que trazem cura e esperança e que temos perpetuado atitudes exclusivistas em relação àqueles que clamam por solidariedade e companheirismo.

T: Senhor, tende piedade de nós... (cantado)

L: Misericordioso Deus, tu és a fonte de toda a criação, a Palavra eterna e doadora de Vida. Confessamos que não temos dado ouvidos a tua criação que geme e clama por libertação e renovação. Ajuda-nos a caminhar juntos e a ouvir tua voz em todos os seres vivos que sofrem e anseiam por cura e cuidado.

D: Ó Deus, fonte de misericórdia e graça, derrama sobre nós o teu perdão. Que o teu amor nos transforme em uma fonte de  águas vivas para restaurar as forças do nosso povo. A ti elevamos nossa prece, por Cristo, nosso Senhor.

T: Amém!

II. Proclamação do Evangelho

Proclamação ou dramatização do Evangelho de João 4, 1-42

Meditação ou sermão

IV. Respondemos em Fé e Unidade

Confissão de fé

Será recitado o Credo Niceno Constantinopolitano, o Credo dos apóstolos ou outra afirmação de fé; pode ser usada, por exemplo, a renovação das promessas do Batismo.

Preces de intercessão

A congregação pode cantar a canção indígena Guaicuru Kyrie – que apresentamos a seguir – ou escolher outra.

 

L: Deus de eterna compaixão, como indivíduos e como comunidade, pedimos que nos dês a tua luz, para que possamos nos tornar mais acolhedores e compreensivos em relação aos outros, reduzindo o sofrimento em nosso mundo.

T: Ouve, Deus de amor! Ouve o nosso clamor... (cantado)

L: Deus de eterna compaixão, ensina a teus filhos que a caridade, a hospitalidade e a unidade são expressões de tua revelação e de teu projeto para a humanidade.

T: Ouve, Deus de amor! Ouve o nosso clamor... (cantado)

L: Deus de eterna compaixão, nós te imploramos, dá-nos a paz, ensina-nos e guia-nos para sermos construtores de um mundo tolerante e não violento.

T: Ouve, Deus de amor! Ouve o nosso clamor... (cantado)

L: Deus de eterna compaixão, que nos falaste através da criação, depois através dos profetas e por teu Filho Jesus Cristo, dá-nos sabedoria para escutar a tua voz, que nos chama à unidade em nossa diversidade.

T: Ouve, Deus de amor! Ouve o nosso clamor... (cantado)

L: Deus de eterna compaixão, em nome de teu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, que, como um estrangeiro, pediu à mulher samaritana que lhe desse de beber, dá-nos a água viva, que jorra para a vida eterna.

T: Ouve, Deus de amor! Ouve o nosso clamor... (cantado)

A comunidade local pode adicionar outras preces.

 

Oferta

D: Aprendemos com Jesus a oferecer nossas vidas como um sinal de amor e compaixão. Deus, possamos nós ser ofertas vivas dedicadas ao ministério de tua Palavra e tua graça.

Ofertas são apresentadas à comunidade.

D:  Deus, que estás conosco e caminhas no meio de nós, dá-nos neste dia a graça de tua luz e de teu Espírito para que possamos continuar nossa missão e permanecer fiéis na prática da acolhida e da escuta de todos, mesmo daqueles que são diferentes de nós. Retira de nossos corações a violência e as atitudes discriminatórias que excluem e desvalorizam a dignidade humana de outros.  Capacita nossas Igrejas para serem espaços de acolhida, onde a festa e a acolhida, a alegria e a ternura, a força e a fé se tornem nossa prática diária, nosso alimento de cada dia, nosso permanente movimento em direção a Jesus Cristo.

T: Amém.

Nota: As comunidades locais são convidadas a organizar as ofertas de acordo com a tradição de cada lugar. Sugerimos que as ofertas sejam trazidas e colocadas em cima do tecido colorido diante do altar. Enquanto se faz a oferta, canta-se uma canção, escolhida pela equipe organizadora local.

Oração do Senhor  (recitada ou cantada)

V. Bênção, Paz e Envio

Bênção

D: Que o Senhor Deus os abençoe e proteja,
encha seus corações de ternura e suas almas de alegria,
seus ouvidos de música e suas narinas de perfume,
suas línguas de canções que levem esperança.

Que Jesus Cristo, a água viva, esteja atrás de vocês como proteção,
diante de vocês como guia, ao seu lado como companhia, 
dentro de vocês como consolo, sobre vocês como bênção.
Que o Espírito doador de vida sopre sobre vocês 
para que seus pensamentos sejam santos,
atue em vocês para que seu trabalho seja santo,
impulsione seus corações para que amem o que é santo,
fortaleça-os para que defendam o que é santo.
Que Ele habite em seus corações, regando sua secura e derretendo sua frieza,
que Ele alimente no mais profundo de suas almas o fogo do seu amor
e conceda a vocês uma fé verdadeira, uma esperança firme 
e um amor sincero e perfeito.

T: Amém.

Partilha da Paz

D: Que Deus, que nos ensina a acolher uns aos outros e nos chama à prática da hospitalidade, nos dê paz e serenidade à medida que avançamos no caminho da Unidade Cristã.  Caminhando na paz de Cristo, partilhemos uns com os outros o sinal da paz.

Poslúdio (canto final)

Fonte: Site do Vaticano